“Afinal, nada como uma orgia gastronómica, repleta de pratos exóticos e com sabores inusitados, para aprendermos o poder dos cinco…”

img_20160518_205249

Esta poderia ser a sinopse da longa experiência no Mandarin Oriental, no Tapas Molecular Bar. Naquela noite, Kento Ushikubo prometeu seduzir os nossos sentidos através de texturas diferenciadas, apresentações irrepreensíveis e sabores irreverentes, combinando para tal tradições culturais do Japão com a modernidade do mundo atual.

Numa sala com apenas oito lugares a cada jantar, este talentoso chef preparou-nos dezasseis pratos de culinária molecular autoral. E nada mais intrigante como começar esta refeição com a entrega de uma caixa de ferramentas com utensílios estranhamente descontextualizados para aquilo que supostamente era esperado!img_20160518_205010

Entre uma fita métrica, que se revelou um menu, até a uma pá ou a um martelo com funções reinventadas, assim se desenrolou um serão de duas horas a observar a confeção e a montagem de cada refeição. Durante este período não faltaram exibições de técnicas como a gelificação, a esferificação e/ou a emulsificação, assim como a espetacularidade do azoto líquido, terminando com um truque de magia, em que de um ovo saí um bonito origami. Se a cozinha molecular começou por ser considerada um movimento dos anos 90, em que o objetivo era conseguir uma gastronomia de emoções, de diversão e de um prazer multifacetado, Ushikubo fez mais que jus a esta pretensão.

Na verdade, aquele jantar foi a cereja no topo do bolo de uma jornada num país que tantas vezes me compeliu “a pensar (do lado de) fora da caixa”, solta de quaisquer amarras convencionais. Mas afinal, em que caixas estão presos os nossos pensamentos? Preconceitos? Aspetos culturais? Regras sociais?… A oportunidade de trilhar pelo solo nipónico, despertou-me de um sono de comodismo, libertou-me de um engessamento mental, a que tantas vezes nos autocondenamos.

Após o jantar, o Viajante Ilustrador acabou por ficar mais um bom tempo à conversa com o chef. Entretanto tentei formar uma memória, como que a jeito de uma fotografia noturna que obriga a uma longa exposição, da vista sobre aquele 38.º andar…

_dsc9618-editar

Ali, pensava em como esta nação milenar tem uma forte ligação com os mitos e as lendas, com a inspiração das crenças e superstições japonesas. Toda a mitologia japonesa apresenta narrativas fortes e envolventes que despertam para uma plenitude de reflexões e ensinamentos… Se atribuir ao país uma nova personagem me pareceu muito ambicioso, divertiu-me a ideia de o fazer com a irreverente cidade de Tóquio. Se esta urbe fosse uma personagem, seria decerto uma figura masculina. Imaginei um homem elegante e sofisticado, que bondosa e pacientemente se procura dar aos outros, embora haja ainda uma parte de si vazia, ou não fosse o seu olhar, por vezes, distante. Imaginei um homem pássaro, tal como o Hiyoku, um pássaro imaginário, de um olho e uma só asa. Assim como o homem, o pássaro sente-se triste e solitário, e não desiste de encontrar a sua outra metade. E quando um Hiyoku a encontra, conta a lenda que os seus corpos se unem, como feixes de trigo, formando um único ser. E nesta fusão, tornam-se únicos e voam, em pura liberdade.

_dsc1022

Ouço o Viajante Ilustrador a chamar-me. Amanhã esperam-nos novos destinos, mais histórias, múltiplas imagens e sentires. Nisto despeço-me do homem pássaro e agradeço-lhe por me relembrar que a vida é breve, e que só nos resta tempo para amar, sendo que, mesmo para isso, passa num instante.

Pouco descansamos naquela noite ou não tivéssemos de cedo voltar ao aeroporto. Entre modernos pássaros gigantes de metal acabamos por ver o nascer do dia, recordando que os japoneses, aquando do Ano Novo, costumam reunir-se e ir até ao litoral ou até alguma montanha para assistir ao primeiro amanhecer. Senti-me como que a iniciar um novo ciclo de vida, ora ansiosa, ora esperançosa. Folheei uma última vez o meu caderno e li baixinho um poema haiku de Matsuo Basho, antes de seguir viagem: “o coração viajante não se enraíza/ antes quer ser/ braseira ambulante”, e a alma sossegou.

in Revista Açores, 1 a 7 de janeiro

vi_21_ra.jpg

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s